Não bastasse o que já fez de sacanagem com o Brasil durante o BRM do OpenXML na ISO, Alex Brown sugere agora em seu blog que o Brasil não seja mais membro do SC34 do JTC1. Motivo: O Brasil não enviou delegados para a reunião dos grupos de trabalho do SC34 em Paris na semana passada !

Como eu fui indicado como um dos delegados brasileiros, gostaria de deixar aqui bem claro a explicação do motivo da minha ausência: Eu não tinha dinheiro para custear minha viagem ! (aliás, já se fazem meses que eu não sei o que é “ter dinheiro” para coisa alguma…).

Por falta de tempo (e recursos também), não pudemos enviar nenhum outro delegado para a reunião, mas ainda assim, continuamos firmes e fortes trabalhando com muita dignidade junto ao SC34.

O que me deixa mais do que irritado com a postura arrogante e preconceituosa deste cidadão inglês, é ver o que o Brasil fez nos últimos meses dentro do SC34:

- Analisamos e votamos 4 documentos com correções propostas ao OpenXML, e rejeitamos os 4 com inúmeros comentários técnicos, quase todos resumidos pela frase “vocês estão tentando aprovar como correção o que deveria ser analisado como emenda, dada a relevância da alteração técnica proposta”.

- Analisamos e votamos 2 documentos com emendas ao OpenXML, e rejeitamos ambos, pois as alterações técnicas propostas eram inadmissíveis, e não resolviam problemas que têm sido varridos para debaixo do tapete desde a patética aprovação do OpenXML como norma internacional (estes 6 documentos totalizam mais de 800 páginas).

- Teremos 4 delegados brasileiros participando de um novo grupo de trabalho (WG6) do SC34, que tratará dos processos de manutenção do ODF dentro da ISO.

- A maioria de nós fizemos (e faremos) tudo isso sem receber um centavo de empresa alguma, utilizando nossas raríssimas horas vagas e finais de semana, por puro prazer de contribuir com o desenvolvimento técnico internacional e honrar o nome do nosso Brasil na ISO.

Alguém precisa avisar o Alex Brown que o Brasil é a maior economia da América do Sul, que temos muito mais competência técnica do que a arrogância e o preconceito dele enxergam, e que chegamos para ficar nos comitês internacionais de normalização em tecnologia da informação. Além disso, estamos o tempo todo convidando e motivando cada vez mais irmãos latino americanos para participar destas discussões internacionais, pois acreditamos que só assim defenderemos nossos interesses e sairemos de vez da colonização tecnológica que vivemos nos últimos séculos.

Além de atacar o Brasil, o safado ainda ataca a Malaysia, que tal como o Brasil, votou contra alguns dos documentos citados (e também não estava em Paris). Ele deve estar mesmo revoltado ao ver “este bando do terceiro mundo achando que tem palavra e que pode se manifestar internacionalmente”.

Escrevi este post para demonstrar a todos, o tipo de pessoa que temos que conviver no cenário internacional de normalização, e o tipo de baixaria que estas pessoas são capazes de fazer.

Realmente eu queria saber quem contribui mais num processo destes: Quem REALMENTE lê e analisa uma proposta de norma internacional (e rejeita com diversas justificativas técnicas), ou quem aprova sem ler o texto, usando o nome de seu país para obter lucro pessoal ?

Fico realmente indignado com este cidadão, mas ele pode tentar o quanto quiser, pois eu nunca vou desistir de defender e lutar pelo que acredito, por mais que ele continuamente desrespeite, sem a menor vergonha na cara, nosso Brasil.

“Verás que um filho teu não foge a luta !”

Agradeço ao Fernando Gebara por ter imediatamente registrado seu (e nosso) repúdio ao que o infeliz escreveu.

* fonte: blog Jomar Silva