Ir al contenido
o

 Regresar a _todas as no...
Pantalla completa Sugerir un artículo

PythonRio: como renasce uma comunidade

julio 14, 2016 14:49 , por Vagner Benites da Silva - 0no comments yet | No one following this article yet.
Viewed 84 times
Licensed under CC (by)
Img 20160714 101345772

Texto: Márcia Schuler
 
Um grupo de pessoas unidas não apenas por uma linguagem, mas por valores. Foi essa a trajetória que Bernardo Fontes narrou na manhã desta quinta-feira (14) na palestra "O renascer de uma comunidade: história da PythonRio no último ano". A narrativa começa em 2007, quando três ou quatro pessoas, reunidas apenas por uma lista, se encontraram na mesa de um bar. O encontro, ainda que despretensioso, foi o primeiro passo para levar ao Rio de Janeiro, no ano seguinte, a PyConBrasil. O evento reuniu 350 pessoas, teve palestras com Bruce Eckel e Alexander Limi e inaugurou o formato de keynotes e os open spaces. Aquela também foi a primeira edição a contar com uma palestra sobre uma linguagem convidada, na ocasião, a Lua.
 
Esse foi o embrião de diversos eventos. Entre eles, a DojoRio, que perdura até hoje. São sessões semanais de Coding Dojo (método de programação conjunta), que começaram a se expandir, até chegar ao ambiente acadêmico e reunir pessoas de diferentes áreas.
 
“Em 2009, começamos o Dojo na UFF (Universidade Federal Fluminense), e isso foi o geminador de muitos encontros da comunidade. Trouxe um sentimento de inclusão, porque não interessava se o participante sabia qualquer coisa de tecnologia”, conta Fontes.
 
A partir daí, foram muitos os eventos - PythOnCampus, ForkInRio, ArduinRio, RubyOnRio. 
 
Em 2012, aconteceu a PythonRioDay, uma espécie de preparo para a edição daquele ano da PyConBrasil, que aconteceria novamente no Rio. A conferência nacional, que também contou com cerca de 350 participantes, rendeu mais um fruto: a Python Nordeste, que, por sua vez, teria um papel fundamental no renascimento da comunidade Python no Rio. 
 
Queda e ascensão 
 
Depois de 2012, a comunidade carioca foi desacelerando, e os encontros ficando mais espaçados. Foi só em 2015, quando Fontes foi ao evento no Nordeste e se impressionou com a quantidade de jovens motivados e envolvidos com tema, que a dúvida gritou: por que não estamos mais fazendo isso no Rio? Voltou decidido a mudar esse cenário. Articulou uma, duas, três edições, com o objetivo principal de juntar pessoas - não importava o local, nem o formato. Depois da terceira, novamente, tudo parou.
 
 “Pensei que se aquilo era só uma necessidade minha, não precisava forçar um encontro.”
 
E foi assim até surgirem as PyLadies, em junho de 2015, com o evento Django Girls em Niterói (RJ), um tutorial de um dia voltado apenas para mulheres que queriam ter contato com programação. Logo, a iniciativa se estendeu para o Rio. Isso deu novo fôlego à comunidade, e foram surgindo cada vez mais pessoas interessadas em participar e mais locais disponíveis para abrigar o evento. 
 
Fontes resume da seguinte forma o aprendizado no processo de renascimento:
 
  1)  É preciso descentralizar. É bom ter alguém que dê o pontapé inicial, mas para que os encontros ganhem corpo, é preciso que a ideia se espalhe e que todos se apropriem.
 
  2)  O ideal é criar um espaço para pessoas engajadas surgirem, não importa a área de conhecimento a que pertençam. 
 
 3)   Respeitar o tempo das coisas. Não se pode forçar um encontro. Se houver interesse, a articulação surgirá naturalmente, e você estará lá para apoiá-la. 
 
4)   Busque novas ideias e novas pessoas. Não se feche em uma tecnologia específica. O que mais importa para a comunidade são os valores. “É preciso interação social, para além da técnica”, sintetiza Fontes.

0no comments yet

Publicar un comentario

Los campos son obligatorios.

Si eres un usario registrado, puedes iniciar sesión y automáticamente ser reconocido.


<script src="https://s7.addthis.com/js/152/addthis_widget.js"></script>