Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias do FISL

3 de Julho de 2013, 0:00 , por Valessio Brito - | 2 pessoas seguindo este artigo.
O Fórum Internacional de Software Livre (FISL) acontece anualmente na cidade de Porto Alegre, RS, Brasil. O FISL é considerado um dos maiores eventos do mundo na área por proporcionar uma discussão técnica, política e social sobre software livre de forma integrada. Reúne discussões, palestras, personalidades e novidades nacionais e internacionais do mundo do software livre.

O Governo do Paraná é um dos principais usuários e desenvolvedores de software livre de todo o país.

13 de Julho de 2011, 0:00, por Vitorio Furusho - 0sem comentários ainda

A opção pelos programas de código aberto faz parte das políticas estratégicas de governo. Sua execução é de responsabilidade da CELEPAR.

A política de software livre é responsável por uma série de projetos inovadores. Do banco de dados à interface gráfica, o software livre tem propiciado o desenvolvimento de programas de computador que tem auxiliado as secretarias e demais órgãos na execução de programas nas mais diversas áreas.

http://www.pr.gov.br/logos/brasao_192x80.png

A característica mais importante do software livre é a liberdade de uso, cópia, modificações e redistribuição. Esta liberdade é conferida pelos autores do programa e é efetivada através da distribuição do código fonte dos programas, o que os transforma em bens públicos, disponíveis para utilização por toda a comunidade e da maneira que seja mais conveniente a cada indivíduo, grupo, empresa ou corporação.

A liberdade para usar, copiar, modificar e redistribuir confere ao software livre uma série enorme de vantagens sobre o software comercial. Este modo de produção tem resultado em produtos de excelente qualidade e grande penetração em alguns setores do mercado mundial de software. A mais importante delas é a disponibilidade do código fonte. Isto evita que os usuários se tornem reféns de tecnologias proprietárias. Além desta, as vantagens técnicas são também consideráveis. A comunidade de desenvolvimento de software livre está espalhada pelo mundo todo e seus participantes cooperam nos projetos através da Internet.

Com esta ordem de grandeza e produtos de excelente qualidade, o modo de produção de software livre é um novo e fundamental componente da economia moderna.

Sua diferença em relação ao software proprietário é que este último é produzido com a finalidade de obtenção de lucros e, portanto, está sujeito há pelo menos três tipos de pressões de mercado:

- [1] inclusão de funcionalidades ‘imprescindíveis’ (e freqüentemente inúteis),

- [2] obsolescência programada para possibilitar a venda de novas versões, e

- [3] prazos de desenvolvimento e testes muito curtos para atender às pressões já mencionadas. Na tentativa de atender ao mercado, e especialmente ao departamento de marketing, produtos importantes de software são vendidos antes de terem passado por testes suficientes, e estarem portanto estáveis e livres da maioria dos erros de programação.

No caso de software livre, como não existe uma entidade que detenha os direitos de propriedade sobre o código fonte dos programas, não existe a possibilidade de que um determinado ‘produto’ seja descontinuado segundo a conveniência comercial do fornecedor do sistema.

Da mesma forma, mesmo que alguma das empresas que distribuem software livre seja extinta, existem várias outras provendo serviços e produtos similares que poderiam facilmente substituir àquela que desapareceu. Além disso, estando o código fonte disponível na Internet, se houver um número razoável de usuários de determinado aplicativo e/ou sistema, a demanda por suporte gerada pelos usuários tem se mostrado suficiente para que suporte e manutenção sejam oferecidos por algum grupo de programadores através da Internet. Se a necessidade o justificar, sempre é possível contratar programadores para efetuar manutenção nos programas pois seu código fonte está disponível. Esta opção simplesmente inexiste com software proprietário.

Quando se considera a dificuldade de obtenção de software confiável no modo tradicional de produção empregado na indústria e que os sistemas empregados nas sociedades modernas são cada vez mais complexos, sofisticados e imprescindíveis, a existência de um modo alternativo, que produz sistemas de qualidade freqüentemente superior àquela do modo tradicional, adquire importância estratégica para o país.

Segundo Roberto A. Hexsel, professor de informática da Universidade Federal do Paraná (UFPR),  a qualidade técnica do sistema GNU/Linux advém do modo de produção que envolve grandes números de desenvolvedores voluntários. É esta qualidade técnica, segundo ele, que atrai novos usuários, vários dos quais passam a agir como testadores e desenvolvedores. "Este ciclo virtuoso deve-se à existência de massa crítica, em nível mundial, tanto de usuários como de desenvolvedores", destaca.

REDUÇÃO DE CUSTOS - Outra característica dos softwares de código aberto é que os benefícios econômicos são muito maiores e mais importantes que a simples economia com o licenciamento de software. A robustez e confiabilidade do software livre provocam reduções significativas de custos operacionais.

A disponibilidade do código fonte permite que os sistemas sejam adaptados às condições e necessidades dos usuários. Estas adaptações podem ser efetuadas por profissionais de qualquer lugar do planeta, que passam a ter oportunidades de desenvolvimento muito distintas daquelas vigentes num mercado monopolístico.

Além disso, a possibilidade de consulta ao código dos programas permite condições de estudo e aprendizado que são absolutamente inviáveis com o software comercial.

Ciência - O código de um programa distribuído como software livre é um bem público à disposição de toda a sociedade. Neste sentido, o software assemelha-se ao conhecimento científico, que uma vez difundido pode ser livremente utilizado por todos, possibilitando o próprio avanço da ciência. Portanto, os benefícios sociais da publicação e do uso de software livre são a liberdade na utilização das ferramentas e especialmente na disponibilidade do conhecimento envolvido na produção e na evolução das soluções desenvolvidas.

Outro benefício social é a transparência na codificação das informações tratadas pelos programas. Os formatos empregados para armazenar e tratar as informações são abertos porque o código fonte dos programas pode ser livremente examinado. No serviço público isto ganha importância fundamental, pois devido às características desses serviços não é recomendável que seus dados sejam mantidos em formatos proprietários. O mesmo raciocínio se aplica aos protocolos de comunicação empregados para a transferência de informações entre computadores ou sistemas.

LICENÇA - Existem vários estilos de licenças para a distribuição de software livre que se distinguem pelo grau de liberdade outorgado ao usuário. No caso do Governo do Paraná, os sistemas de titularidade dos órgãos da administração direta, indireta, autarquias e fundações estão disponíveis para uso da sociedade. Esta liberalidade foi determinada pela edição de uma Licença Pública Geral (GPL) baseada na legislação internacional de copyright, o que garante cobertura legal para o software licenciado.

DESENVOLVIMENTO - Em termos gerais, o desenvolvimento do software livre se baseia na cultura de engenharia praticada pela comunidade que desenvolve os protocolos empregados na Internet. Isto ocorre com a publicação de propostas de protocolos ou serviços e na avaliação destas propostas em listas de discussão via correio eletrônico.

Geralmente as propostas são acompanhadas de uma implementação de referência, cujo código fonte é disponibilizado a todos os interessados. De posse da especificação dos protocolos e de código que os implementa, a comunidade se lança à avaliaçâo, correção de eventuais erros e discussão e aperfeiçoamento da proposta ou  da implementação. Após o período de discussão aberta ao público, os protocolos são avaliados e sacramentados na Internet Engineering Task Force (IETF), que é a entidade responsável pela formalização e publicação dos protocolos. A disponibilidade das propostas de protocolos, através dos Request For Comments (RFCs) permite a discussão e a depuração dos protocolos por uma grande comunidade de especialistas.

Este processo tem produzido protocolos extremamente confiáveis, robustos e escaláveis, especialmente quando se considera que a Internet é heterogênea, multi-plataforma, geograficamente distribuída e que opera há mais de trinta anos mantendo compatibilidade entre várias gerações de tecnologia.

Software Público Livre - o jeito paranaense de ser latino

Esta página tem o objetivo de servir de repositório dos sistemas desenvolvidos em plataforma livre pelo Governo do Paraná com base no Decreto-Lei 5111/2005.

Os sistemas disponibilizados podem ser baixados e utilizados por qualquer interessado, mediante o preenchimento do cadastro.

* fonte: Celepar



Primeiro Bairro em Curitiba com Internet Banda Larga gratuito, Bairro Uberaba

6 de Julho de 2011, 0:00, por Vitorio Furusho - 0sem comentários ainda

Bairro Uberaba, em Curitiba, é o primeiro bairro digital de Curitiba no conceito de Cidades Digitais, que preconiza o acesso gratuito do sinal da internet às pessoas. Está sintonizado com o movimento Cidades Digitais, fomentado no Estado do Paraná pela Rede de Participação Política (www.participacaopolitica.org.br), uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP).

http://www.bairrodigitaluberaba.com.br/img/fotos/foto01.jpg

A implantação de uma primeira antena para distribuição do sinal está sendo possível graças ao esforço dos voluntários do Grupo de Trabalho Cidades Digitais do núcleo de articulação em Curitiba da Rede de Participação Política, juntamente com a Associação Comercial do Uberaba e empresas parceiras do projeto.

Salientamos que o sinal de acesso pode ter alterações de acordo com a geografia da área coberta.

Para mais informações sobre o movimento Cidades Digitais, entre em contato pelo e-mail rede@fiepr.org.br

Site: Bairro Uberaba Digital

Formulário de Cadastro, aqui ...



Governo brasileiro vai colaborar com as comunidades de suítes livres

5 de Julho de 2011, 0:00, por Vitorio Furusho - 0sem comentários ainda

O Comitê de Implementação de Software Livre do Governo Federal (CISL) assumiu, durante o 12o. Fórum Internacional de Software Livre, o compromisso de formar um grupo para colaborar com o desenvolvimento das plataformas de suítes de escritório em software livre mantidas pelas Comunidades The Document Foundation (LibreOffice) e Apache Foundation (OpenOffice.org). O compromisso foi assinado por Marcos Mazoni (Coordenador do Comitê de Implementação de Software Livre), Sady Jacques (Embaixador da Associação SoftwareLivre.org), Jomar Silva (Membro da Comunidade Apache OpenOffice.org) e Olivier Hallot (Membro da Comunidade LibreOffice).

No Protocolo de Intenção, o CISL reconhece a importância do padrão ODF para garantir a interoperabilidade dos órgãos do governo e reconhece, também, que o Brasil é um dos maiores usuários desses softwares em todo o mundo. Agora, o o governo brasileiro se compromete a contribuir, também, para a manutenção e o desenvolvimento dos softwares -- que além de serem fundamentais para garantir a interoperabilidade, proporcionam economia de milhões de reis em licenças todos os anos.

Na prática, o Serpro vai liberar imediatamente duas pessoas para trabalhar no desenvolvimento das suítes, afirma Marcos Mazoni,  que além de ser coordenador do Cisl preside a empresa. De acordo com o próprio Mazoni, a expectativa é de que outros órgãos do governo federal, como a Caixa Econômica, o Banco do Brasil e a Dataprev, assim como as universidades federais, façam o mesmo.

Jomar Silva, da comunidade Apache, comemora o compromisso com o desenvolvimento dos softwares. "Até então isso era realizado através de pequenas contribuições junto às comunidades (e não com código fonte aos projetos). É uma mudança de paradigma importante", afirma ele.

Veja abaixo o texto do Protocolo de Intenção:

Protocolo de Intenção

O CISL – Comitê de Implementação de Software Livre do Governo Federal, sob coordenação do SERPRO com a participação de diversos órgãos da Administração Direta e Indireta, responsável por coordenar e articular o planejamento de projetos e ações para a implementação de Software Livre no âmbito do Governo Federal Brasileiro; dispõe sobre a colaboração para com os Projetos dos Softwares Livres LibreOffice, mantido pela The Document Foundation, e OpenOffice, mantido pela Apache Foundation:

Considerando que:
1. O padrão ODF é importante para o armazenamento de informações governamentais, como forma de se garantir interoperabilidade entre os órgãos de governo, recomendada na e-Ping, e continuidade das políticas de dados abertos;

2. O Brasil tem uma das maiores bases de usuários destes softwares no cenário internacional. A instituição do grupo de colaboração visa efetivar a contribuição do país nos projetos internacionais;

3. A disponibilidade de suíte de escritório em Software Livre é fundamental à execução da estratégia de utilização destas tecnologias no Governo Federal, promovendo a inovação e independência em TIC do Brasil, a democratização do acesso à tecnologia e aos conhecimentos técnicos necessários ao desenvolvimento do país;

4. Além disto, entendemos que a participação da Academia e dos Governos estaduais e municipais são de suma importância na consolidação das políticas públicas e no desenvolvimento tecnológico brasileiro. Desta forma, convidamos as diversas Universidades Brasileiras e demais Governos a participar desta iniciativa.

Os representantes do CISL reafirmam seu compromisso de uso do padrão ODF, efetivado na assinatura do Protocolo Brasília e propõem a formação de grupo de colaboração para desenvolvimento e incentivo à formação de plataforma de suíte de escritório em Software Livre mantidas pelas Comunidades The Document Foundation (LibreOffice) e Apache Foundation (OpenOffice.org).

Porto Alegre, 01 de Julho de 2011.

* fonte: A Rede



ODP 4 - ACTA - Um tratado contra quem usa Internet

1 de Julho de 2011, 0:00, por Fátima Conti - 0sem comentários ainda

Tópicos apresentados no FISL12

Programação: http://fisl.org.br/12/papers_ng/public/fast_grid?event_id=1

Mesa redonda:

- O cerco à Internet – ACTA e ataques técnicos - João Carlos Rebello Caribé, Fátima Conti, Sergio Amadeu Oliveira - Data: 1 de julho, quinta-feira - Local: Prédio 11 – Auditório, 17hs

ACTA – Um tratado contra quem usa Internet

Download de arquivo odp: – http://softwarelivre.org/fa/acta4.odp

Download de arquivo pdf: – http://softwarelivre.org/fa/acta4.pdf

Filmes sugeridos:

Copiar não é Roubo / Copy is not theft – legendas em português http://www.youtube.com/watch?v=R1QnXJYT9ao

No ACTA – legendas em espanhol http://www.youtube.com/watch?v=3ReY-XBmoRw

- dublado em espanhol http://www.youtube.com/watch?v=xEUmeLPJqAQ

CPBR11 – A internet está sob ataque? (debate) – http://www.youtube.com/watch?v=iVkrUTeeL8I


Apresentação baseada em:

Afinal, o que é o cibercrime? http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20080814.php ou http://meganao.wordpress.com/2009/05/09/afinal-o-que-e-o-cibercrime/

Acta – O silêncio continua – http://www.revista.espiritolivre.org/?page_id=40 – Revista Espírito Livre (No20, Pags.: 35-40)

O silêncio sobre o ACTA http://xocensura.wordpress.com/2008/09/22/o-silencio-sobre-o-acta/ ou http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20081007.php

Projeto de Lei 84/99 – Serve a quem? http://xocensura.wordpress.com/2008/07/20/projeto-de-lei-8499-%e2%80%93-serve-a-quem/ ou http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20080902.php

Que tal apoiar a FSF contra o ACTA? http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20100624.php ou http://meganao.wordpress.com/2010/06/21/que-tal-apoiar-a-fsf-contra-o-acta/

Subserviência ao G8. O ACTA – Primeiras impressões. http://xocensura.wordpress.com/2008/07/11/subserviencia-ao-g8-o-acta-primeiras-impressoes/ ou http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20080903.php

Vigilantismo e razões econômicas http://xocensura.wordpress.com/2008/11/15/vigilantismo-e-razoes-economicas/ ou http://www.dicas-l.com.br/interessa/interessa_20081122.php



Festa de abertura!

29 de Junho de 2011, 0:00, por Mariel Zasso - 0sem comentários ainda

Cultura Livre no #fisl

A gente aprende, ensina, debate, mas também se diverte, claro!

E hoje, a tradicional festa de abertura inicia com um debate sobre “Transparência e Liberdade na internet”. 

Daniel Domscheit-Berg (OpenLeaks), Paulo Bastos (ScienceLeaks) e Barry Newstead (Wikimedia) iniciam o bate-papo às 21h, no Espaço OX do Bar Ocidente.

 

Participantes do #fisl12 identificados com crachá não pagam ingresso. O Ocidente fica na Rua Osvaldo Aranha, 960, bairro Bonfim, e haverá vans gratuitas transporte os interessados da PUC para o local.

E atenção DJs! A fim de tocar? Leve seu notebook e faça um som você também. A discotecagem começa às 23h. Nos vemos lá!



Gov @TarsoGenro ouvirá hackers e acadêmicos: @lxoliva @samadeu @maddoghall e Omar Toral no #FISL12

26 de Junho de 2011, 0:00, por Everton Rodrigues - 0sem comentários ainda

FISL é o maior evento de tecnologias livres da América Latina Continue a leitura >>> http://www.gabinetedigital.rs.gov.br/especial.php?pagina=audiencia&cod_conteudo=636

O próximo Governo Escuta acontecerá no dia 29 de junho, às 14h, dentro da programação do 12o Forum Internacional de Software Livre.

Nesta edição, o Governador Tarso Genro ouvirá especialistas do meio técnico e acadêmico discutindo ligações entre tecnologia e democracia. Destacados representantes ligados de diferentes maneiras à questão do software livre no Brasil e no mundo são convidados a expor sua opinião sob o tema “Cultura digital, Democracia e Governos no século XXI“.

Presentes nesta troca de ideias estarão nada menos que Jon “Maddog” Hall, Presidente fundador da Linux Internacional, Omar Toral, Gerente de Software e Serviços da Intel, Sérgio Amadeu da Silveira, doutor em Ciência Política e professor da  Universidade Federal do ABC (UFABC), e Alexandre Oliva, representante da Free Software Fundation LatinoAmerica.

Continue a leitura >>> http://www.gabinetedigital.rs.gov.br/especial.php?pagina=audiencia&cod_conteudo=636



5 motivos para baixar o novo Firefox 5.0

24 de Junho de 2011, 0:00, por Vitorio Furusho - 0sem comentários ainda

Nova versão do browser, além de estar mais leve, rápida e estável, conta com o recurso do-not-track.

É difícil acreditar que dois meses após o lançamento do Firefox 4, uma nova versão do popular navegador já chegou. Oficialmente liberado nesta terça-feira (21/06) – embora seu download tenha vazado na última segunda-feira – poucas alterações podem ser notadas em relação ao modelo anterior, mas a promessa é de que as melhorias internas sejam significativas. De fato, venho utilizando-o desde ontem e, por mais que não seja uma grande atualização, sua estabilidade me impressionou – assim como sua velocidade. Sinceramente, não encontrei nada que justifique postergar o update, mas tenho cinco razões para incentivar sua instalação imediata.

http://static.product-reviews.net/wp-content/uploads/firefox-5-coming-in-June.jpg
Privacidade
O recurso do-not-track (não me siga) do Firefox dá ao usuário mais controle sobre sua privacidade. Ele pode, por exemplo, impedir que sites monitorem seu comportamento online – tática utilizada para personalizar as ofertas publicitárias. A novidade é que a ferramenta está bem mais fácil de ser localizada nas opções do navegador. Lembrem-se que a versão do Firefox para Android também inclui a opção. É o primeiro browser para dispositivos móveis que oferece essa alternativa.

Mais leve. Mais rápido

Eu tinha a sensação de que o novo Firefox estava significativamente mais rápido, e o pressentimento, segundo o portal Digitzor, estava correto. Ele promoveu alguns estudos de benchmark e verificou a superioridade do browser da Mozilla ante Chrome e Opera – considerados os mais velozes até então – para abrir códigos JavaScript. O consumo de memória também melhorou. Mesmo com 25 abas abertas, meu computador continuou funcionando sem paralisações.

Open Web

Com o suporte avançado a padrões como HTML5, XHR, MathML, SMIL e canvas, o Firefox 5 é a melhora escolha para incentivar uma Web aberta e transparente. A nova versão inclui o Add-on SDK para Windows, Mac e Linux, que permite o desenvolvimento de complementos locais, enquanto que o Firefox Add-on Builder Beta oferece uma plataforma para a construção baseada na nuvem. Por último, animações em CSS passaram a ser compatíveis com o browser.

Estabilidade

O Firefox 5 tem mais de 1000 pequenas correções em relação ao seu antecessor. São modificações individualmente imperceptíveis, mas que, juntas, aprimoram a estabilidade do software. O modelo para Android também chega com correções que aprimoram, inclusive, a velocidade de abertura de páginas – especialmente em redes 3G. O suporte a IPv6 foi adicionado.

Seguro e independente

O Firefox é open-source, o que significa que ele é desenvolvido com a ajuda de milhares de usuário espalhados pelo mundo. O monitoramente, portanto, é constante, o que facilita na hora de identificar uma falha de segurança e corrigi-la. A Mozilla, por sua vez, é uma fundação independente. Dificilmente um software proprietário – como o Internet Explorer, da Microsoft – ou um preso a empresas privadas – como o Chrome, da Google – pode ter todos seus esforços concentrados única e exclusivamente na satisfação do usuário. Fato é que o Firefox enfrenta uma concorrência acirrada no setor – basta ver o crescimento do Chrome nos últimos anos. Mas ele não está ficando para trás; pelo contrário, a sexta versão já bate à porta.

(Katherine Noyes)



Debian muda-se para LibreOffice

24 de Junho de 2011, 0:00, por Vitorio Furusho - 0sem comentários ainda

O projeto Debian tem o orgulho de anunciar que a transição do OpenOffice.org para LibreOffice foi agora concluída. LibreOffice já disponível para teste e instável desde março e agora foi portado para Debian 6.0 Squeeze , também.

Rene Engelhard, mantenedor do Debian LibreOffice e membro do Steering LibreOffice de Engenharia da comissão, diz: Tenho certeza de Debian e seus usuários se beneficiarão enormemente com essa transição, eu espero não só uma melhor colaboração, mas também os ciclos de desenvolvimento mais rápido.

Debian_e_libreoffice

Instalação de LibreOffice

Usuários interessados ​​da versão atual estável Debian 6.0 Squeeze pode adicionar a seguinte linha no seu/etc/apt/sources.list file:

deb http://backports.debian.org/debian-backports squeeze-backports main

Depois de adicionar isso, execute uma atualização e instalar o pacote LibreOffice do squeeze-backports suite usando o software de gerenciamento de pacotes de sua escolha (por exemplo, apt-get update; apt-get install-t squeeze-backports LibreOffice ). Pacotes instalados anteriormente OpenOffice.org deve ser desinstalado automaticamente. Dependendo do ambiente de desktop usado, você também poderá ter de instalar o libeoffice-gtk, LibreOffice-gnome ou kde-LibreOffice pacotes.

Mais informações sobre backports pode ser encontrado na página backports.debian.org .

Sobre LibreOffice

LibreOffice é uma suíte de software livre desenvolvido pela The Document Foundation como um fork do OpenOffice.org.

Sobre o Debian

O Projeto Debian foi fundado em 1993 por Ian Murdock para ser um projeto da comunidade verdadeiramente livre. Desde então o projeto cresceu e se tornou um dos maiores e mais influentes projetos open source.Milhares de voluntários de todo o mundo trabalham juntos para criar e manter software Debian. Disponível em 70 idiomas, e apoiar uma ampla gama de tipos de computadores, Debian se chama o sistema operacional universal .

Informação de contato

Para mais informações, visite as páginas web do Debian em http://www.debian.org/ ou envie uma mensagem para press()debian.org

23 de junho de 2011

* Fonte: Debian

* Site do LibreOffice

* tradução por Google Translator



Políticas de Software Livre do Governo RS

24 de Junho de 2011, 0:00, por Mariel Zasso - 0sem comentários ainda

Tarso Genro publicando o código do site do Gabinete Digital
Tarso fazendo um commit + push oficializando a publicação do código do sítio do Gabinete Digital.
 
 
A comunidade de Software Livre tem mais uma oportunidade de colocar as políticas sobre o tema na pauta do governo do estado, no RS. Como? Fazendo com que a pergunta sobre Software Livre seja a mais votada deste mês na ferramenta "O Governador Escuta", do Gabinete Digital. 
A pergunta mais votada do primeiro mês teve 858 votos. Quantos somos na comunidade Software Livre? A gente consegue! A pergunta escolhida será respondida em vídeo diretamente pelo governador Tarso Genro. É a "democracia conectada", cidadãos colocando o governo pra pensar o que nos interessa! Vote aqui: http://migre.me/55eYF

No mês de maio, o Gabinete do Governador Tarso Genro lançou a público uma iniciativa de aproximação do governo com o cidadão através dos recursos da internet, o Gabinete Digital. Mais que uma ferramenta, o Gabinete Digital pretende ser "um novo sistema de participação popular e cidadã, capaz de tornar-se um exemplo da busca por um novo paradigma em termos de governança democrática no Brasil.", como escreveu Vinicius Wu, Chefe de Gabinete do Governador.
Dentre diversas formas de interação, através do "Governador Responde", os cidadãos podem propor suas questões que serão respondidas mensalmente diretamente pelo Governador, seja ele Tarso Genro ou um futuro governante, desde que sejam as mais votadas. Aí que entra, além do debate e da reflexão coletiva, o poder de mobilização das redes sociais. 

O canal já está aberto. Além de toda a iniciativa do Gabinete Digital ter como preceito o uso de licenças livres, no dia 29 de junho, às 14h, o governador Tarso Genro estará no #fisl12 em mais uma agenda do "Governo Escuta". Com o tema "Cultura, Democracia e Governos do séc. XXI", Tarso Genro ouvirá especialistas que ajudarão a pensar políticas relacionadas à participação, transparência e tecnologia.

Nós sabemos porque é importante que o governo pense as políticas de, para e com Software Livre. Economia de recursos públicos, transparência, possíbilidade de  auditoria, são só os argumentos mais fáceis de compreender por quem ainda não faz parte deste mundo. Fazendo com que a discussão ganhe as ruas - os jornais! - fazendo aparecer nossa vontade, conseguiremos dar mais uma passo para que o mundo para além da comunidade Software Livre possa perceber o valor que um código público tem para fomentar a inovação. Porque o que nos interessa de fato é que o conhecimento seja livre e compartilhado, seja ele um código ou não. Mas isso é papo para uma outra longa história. :)



Tuitaço por melhor acesso à internet

22 de Junho de 2011, 0:00, por Marcelo D'Elia Branco - 0sem comentários ainda

Do blog da Vanessa Nunes (ZH)

É como um “panelaço”, só que no Twitter: usuários do serviço em todo o país se uniram uma mobilização por uma internet de melhor qualidade e mais barata para todos. A expressão #minhainternetcaiu ficou entre as mais comentadas da rede social. A hashtag é uma referência ao mote “Minha internet caiu… na mão das teles”. As organizações que estimularam o protesto pedem que o Programa Nacional de Banda Larga seja melhor discutido pela sociedade. O objetivo do tuitaço é chamar a atenção dos usuários da rede para o debate, mas também questionar o Ministério das Comunicações, para que pontos do programa sejam esclarecidos publicamente. Para saber mais sobre a campanha, visite o site campanhabandalarga.org.br