Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias da Comunidade Firefox Brasil

17 de Julho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


The Document Foundation deseja um Feliz Natal e Próspero Ano Novo

24 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

http://4.bp.blogspot.com/-4C26eM-spAo/TvSIdAGhabI/AAAAAAAAAGE/_YVpCu2rAaQ/s400/LIBOXMAS6.pngÀ nossa comunidade, nossos usuários, amigos e colegas,

O fim do ano se aproxima rapidamente e temos a impressão que 2011 passou num piscar de olhos. Parece que foi ontem que celebramos o ano novo, mas olhando para o passado recente, percebemos que evidentemente que os últimos 12 meses foram repletos de atividades e muita coisa aconteceu.

Começamos a The Document Foundation e o projeto LibreOffice na primavera de 2010, com grande visão e muitas esperanças. As primeiras semanas foram animadíssimas, assustadoras e raramente vimos um movimento da comunidade desta amplitude, com tanta gente buscando o mesmo objetivo. Um de nossos desejos mais fortes para 2011 foi manter essa energia toda. Não somente conseguimos preservar esta energia, mas tudo que era bom ficou melhor, muito além da nossa imaginação e isso nos deixa particularmente orgulhosos.

2011 foi o ano de nosso primeiro lançamento estável e muitos outros lançamentos seguiram. Hoje temos 30 milhões de usuários de LibreOffice em 109 idiomas, um software desenvolvido por 40 programadores dedicados e 300 desenvolvedores ativos, com 280 pessoas ligadas à localização e tradução. Provavelmente o maior resultado foi o fato de 230 desses desenvolvedores são recém chegados, contribuíram com código para a suíte livre de escritório e foram atraídos pela nossa comunidade aberta, transparente, meritocrática e abrangente.

Temos mais de 16.000 assinantes em nossas listas e a The Document Foundation soma 138 membros. Somos patrocinados e apoiados por um bem equilibrado e forte Conselho Consultivo e a comunidade prospera mais do podíamos jamais esperar.

Mas nem tudo são números. É também o nosso bem-estar e de cada colaborador que faz a comunidade que somos hoje. Especialmente nos tempos da comunicação global, são os seres humanos que fazem nossa vida online e offline o que ela é. São os seres humanos que enchem nossas vidas com alegrias e vigor.

Para nós, a comunidade é como uma grande família, com amigos pessoais no mundo todo, gente com quem partilhamos a mesma paixão, mas também nossa profunda amizade com muitos deles. Nosso primeiro evento anual, o LibreOffice Conference que ocorreu em Paris, em outubro, não só foi um sucesso e uma brilhante conferência, mas foi o encontro de amigos de uma família unida. Olhando para trás há um ano e meio e vendo onde estamos hoje, continua parecendo que todos nós fizemos o impossível.

http://1.bp.blogspot.com/-KZT0EwBC6t0/TuqDKEbodII/AAAAAAAAAC4/tokyP50CC50/s1600/LIBOXMAS3.png

 

O que vimos até hoje é só o começo, o começo de algo excitante e o começo de algo muito bom. Em Paris, anunciamos o próximo nível do LibreOffice, com trabalhos para o Android e o iOS em andamento e com uma inovadora versão para Internet em desenvolvimento.

Cada vez mais organizações, empresas e governos juntam-se a nossos esforços, por que acreditam que oLibreOffice  é o futuro das suítes de escritório livres e acreditam firmemente que o poder de uma comunidade tão diversificada e ao mesmo tempo tão unida, tão global e tão próxima, tão poliglota mas sempre falando a mesma linguagem, como a comunidade do LibreOffice.

Neste ano, aprendemos muito também pelas sugestões construtivas de nossos usuários e da comunidade ao redor do mundo. Ouvimos com atenção e tentamos melhorar as coisas onde era possível. Trabalhar junto com vocês, nossos usuários, nos tornou mais fortes e nos ajudou a fazer o software e o projeto cada vez melhor. Este é seguramente um caminho que seguiremos em 2012.

Após um ano de sucesso, agora é tempo de agradecer a tudo que conquistamos, de nos orgulharmos das etapas vencidas, e de tomar um instante para vislumbrar os desafios no próximo ano.

Todos nós da The Document Foundation desejamos a você e a seus entes queridos um Feliz Natal com muita paz e um Ano Novo feliz, abençoado e próspero.

Nosso muito obrigado por tudo que vocês fizeram para o LibreOffice nestes últimos 365 dias, obrigado por estarem conosco e esperamos trabalhar com vocês no ano que vem. Um ano que, sem dúvida, será cheio de surpresas, bons tempos e conquistas importantes.

São vocês que fazem o LibreOffice o que ele é hoje, porque é disso que o LibreOffice é feito: de gente e de comunidade.

Tradução: Olivier Hallot

Faça Download do seu LibreOffice aqui



Mozilla lança versão final do Firefox 9, que traz melhorias e maior velocidade

21 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Apenas algumas semanas depois do lançamento do Firefox 8, o Mozilla lança a versão final da próxima atualização do navegador: o Firefox 9, que traz melhorias no uso de memória e no gerenciador de extensões, novos recursos de HTML 5, CSS e MathML e maior rapidez para carregar Java Script.

Nesta edição, os criadores do aplicativo prometem reduzir até 50% da carga do uso de memória RAM, já que as antigas versões já tentavam reduzir entre 20% e 30%. Assim, mesmo que o browser fique aberto por muito tempo, o uso da memória é contínuo.

http://www5.picturepush.com/photo/a/7190718/1024/diciembre/firefox2.png

Outra novidade do navegador é a velocidade para rodar aplicativos em Java Script. Com a atualização, esse tipo de conteúdo pode ficar até 30% mais rápido para abrir e até atualizar.

Além disso, o gerenciador de extensões trouxe uma nova forma de administrar os complementos instalados. Quando uma nova extensão de terceiros é instalada, o navegador notifica e pergunta o que deve ser feito. Isso evita que aplicativos desconhecidos sejam instalados automaticamente, junto com a instalação de algum antivírus, por exemplo.

No geral, a nova versão do navegador trouxe melhorias que abrangem as novas linguagens de internet, como HTML 5, MathML e o CSS3, além da correção de bugs e problemas apresentados nas versões anteriores.

Baixe o Firefox 9 pelo Downloads INFO ou clique no ícone

Firefox

* fonte: Info

 



Congresso Nacional: Software Livre em breve, será adotado pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios

15 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A manhã desta quarta-feira, dia 14, foi movimentada em Brasília. Especialmente para a deputada Manuela d'Ávila, que teve três projetos aprovados na Comissão de Desenvolvimento Econômico. Os projetos, após serem aprovados em todas as Comissões, serão publicados e entrarão em vigor.

http://www.manuela.org.br/uploads/noticias/laIznm.jpg

Software Livre

Outra vitória da parlamentar foi a aprovação de seu relatório sobre a utilização de Software Livre. Manuela relatou o PL 2269/1999 e indicou em seu texto a adoção - por parte da administração pública e pelas empresas com controle acionário da União, Estados, Distrito Federal e Municípios - de programas de computador livres, conhecidos como Software Livre.

“Com a aprovação do relatório na CTASP, promoveremos o aumento da competitividade da indústria nacional de software, o oferecimento de capacitação para trabalhadores do setor e a diminuição do gasto público com o licenciamento de programas de computador”, explicou Manuela.

* fonte: site da Deputada Manuela

*****************************************************

CTASP: Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público

Aprovado por Unanimidade o Parecer.. Parecer da Relatora, Dep. Manuela D'ávila (PCdoB-RS), pela aprovação deste, dos PLs nºs 3.051/20, 4.275/01, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08, apensados, na forma do substitutivo adotado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Infomática, com emenda, e pela rejeição do PL nº 7.120/02, apensado, e da emenda apresentada na CCTCI . Inteiro teor, segue abaixo o Parecer da Comissão

 

*****************************************************

 

CÂMARA DOS DEPUTADOS

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DE LEI Nº 2.269, DE 1999

III - PARECER DA COMISSÃO


A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, em reunião ordinária realizada hoje, aprovou unanimemente o Projeto de Lei nº 2.269/99 e os Projetos de Lei nºs 3.051/00, 4.275/01, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08, apensados, nos termos do substitutivo adotado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, com subemenda, e rejeitou o Projeto de Lei nº 7.120/02, apensado, e a emenda apresentada naquela Comissão, nos termos do parecer da relatora, Deputada Manuela d'Ávila.

Estiveram presentes os Senhores Deputados:

Silvio Costa - Presidente, Eros Biondini e Augusto Coutinho - Vice-Presidentes, Andreia Zito, Assis Melo, Daniel Almeida, Erivelton Santana, Eudes Xavier, Fátima Pelaes, Gorete Pereira, Laercio Oliveira, Luciano Castro, Mauro Nazif, Policarpo, Roberto Balestra, Ronaldo Nogueira, Vicentinho, Walney Rocha, André Figueiredo, Edinho Bez, Leonardo Quintão, Manuela d'Ávila e Sebastião Bala Rocha.

Sala da Comissão, em 14 de dezembro de 2011

Deputado SILVIO COSTA

Presidente

* fonte: Câmara dos Deputados
*****************************************************



O Android não é tão aberto quanto você pensa

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Empresa analisa 13 projetos open source quanto ao grau de transparência e coloca SO na lanterna. Eclipse, Linux e Mozilla, por outro lado, lideram.

Embora construído sobre o Linux, um sistema open source, a transparência do Android tem sido alvo de um intenso debate. A plataforma, naturalmente, é bem mais aberta que o iOS, da Apple, mas pode não ser tanto quanto ativistas do software livre gostariam.

http://thebiblescholar.com/android_awesome.jpg

Na última segunda-feira (12/12) alguns comparativos surgirem para contribuir com a discussão. Um estudo da Vision Mobile, empresa de análise de mercado, elegeu o Android o mais “fechado” de oito projetos de código aberto.

O SO da Google ficou em último de uma lista formada por MeeGo, Linux, Qt, WebKit, Mozilla, Eclipse e Symbian. Para analisar cada um deles, a companhia criou o que chama de Open Governance Index (Índice da Governança Aberta), que inclui 13 métricas divididas por quatro áreas principais.

  • Acesso ou disponibilidade do código fonte junto ao suporte a desenvolvedores e transparência na tomada de decisões.

  • Medição da influência dos desenvolvedores.

  • A habilidade dos desenvolvedores em criar e distribuir derivados do código fonte.

  • Comunidade, no sentido de construir uma estrutura não discriminatória que a valorize.

Baseada nesses critérios, a Vision Mobile avaliou os projetos em termos de percentagem de abertura. O Android, por exemplo, ficou com 23%, enquanto que o líder, o Eclipse, obteve 84%. Você pode ver um infográfico com todos os resultados nesta imagem.

 

Conclusão

Mas, afinal, o que tudo isso significa?

Em resumo, a pesquisa sugere que “as plataformas mais abertas, provavelmente, terão vida mais longa”. Para exemplificar, a empresa cita Eclipse, Linux, WebKit e Mozilla.

O Android, no entanto, representa um paradoxo. “Seu sucesso, aparentemente, pouco tem a ver com o nível de transparência de seu código fonte”, diz o texto. “O sistema não teria decolado se não fosse o incentivo financeiro da Google e sua célebre equipe de engenharia”.

Existe também a predisposição da gigante em subsidiar o Android em troca da renda obtida com venda anúncios, além dos bilhões gastos por fabricantes e operadoras para terem algo para enfrentar os dispositivos com iOS.

É interessante observar a transparência do Android quantificada, e seus problemas nessa área, ilustrados. Outro ponto interessante á a relação traçada entre a abertura do código e o sucesso do projeto.

Não há como negar que o open source pode ser uma estratégia vitoriosa, e que ela tem se disseminado cada vez mais. No caso do Android, porém, sua importância é de certa forma relevada.

(Katherine Noyes)

* fonte: IDGNow!

Leia mais: "Você é um idiota se não retribui o código aberto", diz Fundação Linux



Municipios Cubanos ya utilizan herramientas de Software Libre

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

La implementación en más de 100 municipios cubanos del sistema Garux para el control de multas –desarrollado en Villa Clara-, constituye ejemplo del avance en el país de herramientas basadas en software libre.

Diosmany Meriño, subgerente de la división de desarrollo de software (DESOFT) en el territorio, afirmó que este es uno de los programas informáticos más importantes creados aquí a partir del PostgreSQL, potente gestor de bases de datos con su código fuente disponible libremente a escala global.

A propósito de efectuarse en Santa Clara el VI Taller Nacional sobre uso y desarrollo de sistemas y plataformas abiertas, Meriño explicó a la AIN que el Garux se ha extendido de forma progresiva desde 2010, con el objetivo de la creación de una red para viabilizar el pago y control de las multas en Cuba.

http://www.somoslibres.org/imagenes/libre1.jpg

Con la utilización del gestor de base de datos PostgreSQL trabajamos actualmente en el desarrollo de un sistema denominado Energux, destinado al registro y supervisión de los portadores energéticos en organismos de diversa índole, desde la perspectiva de potenciar el uso del software libre, señaló.

María Deulofeu, directora del Centro coordinador para la formación del capital humano del Ministerio de la Informática y las Comunicaciones, precisó posee inmensas potencialidades dentro de la estrategia del país en la migración hacia plataformas de código abierto.

La realización de este Taller Nacional aquí –entre hoy y mañana 14 de diciembre- forma parte de las acciones que se realizan en Cuba para garantizar la independencia informática, en un contexto internacional marcado por el dominio de sistemas operativos y aplicaciones propietarias, significó.

El proceso de migración hacia el software libre se encuentra en una primera etapa que involucra al propio MIC, además de organismos del sistema nacional de salud pública, educación, cultura y otras instancias de la administración central del Estado.

Fuente: Agencias

* fonte: Somos Libres



HP anunciou que liberará o código-fonte do webOS, e será um projeto em Open Source

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

http://www.linuxnewmedia.com.br/images/uploads/news/webos.jpgA Hewlett-Packard anunciou que liberará o código-fonte do webOS, o sistema operacional do smartphone Palm Pre e do tablet TouchPad (ambos descontinuados), como um projeto em código aberto. A HP não deu detalhes se cederá o webOS a uma fundação existente, ou se criará uma nova organização para gerir o projeto. A empresa afirmou que planeja ser uma participante ativa e investidora no projeto que buscaria "uma governança boa, transparente e inclusiva, para evitar fragmentação".

A HP também não ofereceu detalhes sobre qual licença planeja liberar o código do webOS, afirmando apenas que será uma "licença de código aberto". No anúncio, a empresa também afirma que planeja abrir o código do framework de aplicativos ENYO em um "futuro próximo" e vai apresentar um plano para os "componentes restantes do espaço de usuário" no mesmo período.

Atualmente, não existem fabricantes ou fornecedores de hardware vendendo dispositivos operando com o webOS. A HP descontinuou todo o seu hardware operando com webOS ainda no começo desse ano, e e seus planos para usar o sistema em impressoras ou como um sistema operacional alternativo de "quick boot" para PCs não resultou em nada.

O sistema operacional baseado em Linux usa HTML, CSS e JavaScript extensivamente em sua camada de aplicativos e já integra contatos do Gmail, Yahoo, Facebook, LinkedIn e outros sistemas de mensagens através do sistema Synergy. A CEO da HP, Meg Whitman, afirmou que o "webOS é a única plataforma desenvolvida desde o princípio para dispositivos móveis, conectada à nuvem e escalonável", quando anunciou os novos planos da empresa para o sistema.

A HP adquiriu os criadores do webOS, a empresa Palm, em abril de 2010 por 1,2 bilhões de dólares, e anunciou o HP TouchPad nos meses seguintes. O tablet HP TouchPad é ironicamente um tablet muito popular, mas só conseguiu essa façanha após vender os dispositivos a preços baixíssimos, para limpar seu estoque do produto, que anunciou em agosto desse ano que seria descontinuado. Até o momento uma série de hackers e modders vem se concentrando em portar o sistema operacional Android para o aparelho, uma vez que o webOS estava sob licenças proprietárias (apesar de possuir componentes GPL).

Fonte: h-online, em inglês.

* fonte: Linux Magazine



Novidades da versão do Moodle 2.2

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

O fundador do Moodle, Martin Dougiamas, anunciou o lançamento da versão 2.2 de sua plataforma aberta para ensino à distância. Sigla para Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem dinâmica orientada a objeto), o Moodle é um sistema de gerenciamento de cursos (course management system) multiplataforma - também conhecido como o um ambiente de aprendizado virtual (virtual learning environment, ou VLE) ou sistema de gerenciamento de aprendizado (learning management system, ou LMS) - cujo objetivo é fornecer ferramentas aos educadores para gerenciar e promover o aprendizado de seus estudantes.

http://moodle.org/theme/image.php?theme=moodleofficial&image=moodle-logo&rev=623&component=theme

O Moodle 2.2 é uma atualização importante que inclui um novo subsistema de avaliação avançada. O primeiro plug-in para esse subsistema é, de acordo com os desenvolvedores, um "recurso já há muito tempo pedido": suporte a Rubrics. Esses são usados para avaliações baseadas em critérios; no momento elas funcionam apenas para trabalhos, mas esse recurso será estendido por todos os módulos em uma versão vindoura.

O suporte para o padrão IMS LTI também foi incluído nessa nova versão e permite que o Moodle embarque objetos e ferramentas de aprendizado de outros sites em seus cursos, e possa transmitir informações do usuário de e para a ferramenta. Um novo tema padrão Mymobile foi acrescentado para uso com smartphones, quando usuários acessam o Moodle via navegadores de dispositivos móveis. Além disso, usuários podem novamente importar pacotes do padrão IMS Common Cartridge (CC), até a versão 1.9. A habilidade para exportar pacotes CC será acrescentada na versão 2.3, agendada para lançamento em junho de 2012.

Ao mesmo tempo, os desenvolvedores publicaram atualizações para os ramos 2.1.x, 2.0.x e 1.9.x do Moodle. As versões 2.1.3, 2.0.6 e 1.9.15 resolvem um total de 13 vulnerabilidades de segurança. Essas incluem as sérias falhas de injeção em ip_in_range, authentication e CRLF, assim como um problema de divulgação de informação. Um número de outros falhas encontradas nas versões anteriores também foi corrigida. Mais informações, incluindo uma lista completa de correções, é fornecida nas notas de lançamento das versões 2.1.3, 2.0.6 e 1.9.15; recomenda-se que todos os usuários usando a plataforma atualizem os sistemas para as últimas versões assim que possível.

Mais detalhes sobre a versão 2.2, incluindo uma lista completa de aprimoramentos, pode ser encontrado nas notas de lançamento. O Moodle 2.2 está disponível para download para Windows, Mac OS X e Linux no site do projeto; o código-fonte da solução está licenciado sob a GPLv3.

* Notas de lançamento, clique aqui...

Fonte: h-online, em inglês.

* fonte: Linux Magazine

* fonte: Moodle 2.2

 



Tags deste artigo: firefox