Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias da Comunidade Firefox Brasil

17 de Julho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

WebSockets se torna um padrão

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

WebSockets e o protocolo WebSocket galgaram o posto de especificações propostas. O WebSocket Protocol está agora proposto como o RFC 6455 da Internet Engineering Task Force (IETF). O protocolo foi desenvolvido para permitir que um navegador ou outros clientes possam estabelecer uma conexão confiável para comunicação de duas vias com um servidor web sem usar múltiplos pedidos HTTP. Christopher Blizzard, Director of Web Platform na Mozilla, twitou: "O Websockets é agora um RFC. Um longo caminho percorrido." O primeiro esboço do WebSockets RFC surgiu em maio de 2010 após os resultados do trabalho realizado pelo grupo de trabalho para tecnologia de aplicativos web e hipertexto (Web Hypertext Application Technology Working Group, ou WHATWG) terem sido publicados.

http://www.linuxnewmedia.com.br/images/uploads/news/ietflogotrans.gif

Outras tecnologias web tentaram manter um canal de comunicação aberto com um servidor usando de artifícios como múltiplos pedidos XMLHttpRequests ao servidor, ou tentando manter uma conexão HTPP convencional aberta pelo maior tempo possível. Essas soluções tinham o revés de complexidade adicional, estabilidade reduzida e sobrecarga da conexão entre o servidor e o cliente. Um aplicativo WebSocket pode, em vez disso, abrir uma única conexão com o servidor e trocar informações sobre essa única conexão, reduzindo o volume de carga sobre o servidor web.

O WebSockets está disponível em algum nível na maioria dos atuais navegadores web para desktops, exceto pelo Internet Explorer, que deve oferecer suporte completo ao protocolo em sua versão 10. O Safari para iOS e o Opera Mobile também possuem suporte parcial ao WebSockets.

O RFC do WebSockets surgiu juntamente com o RFC 6454, o Web Origin Concept, que se propõe a definir o conceito de origem (origin) na web. Um conceito que já é aplicado há algum tempo, por exemplo, para impedir ataques de scripting entre sites (cross-site scripting), e para determinar e armazenar a origem como uma string. Essa nova RFC 6454 já é referida dentro do WebSockets RFC.

Fonte: h-online, em inglês.

* fonte: Linux Magazine



Reflexões de um Cachorro Louco: As necessidades de muitos

14 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

As necessidades de muito devem se sobrepor às necessidades de poucos... ou do Único”, disse Spock no filme ”Star Trek II: a Ira de Khan”. Com essas palavras, Spock decidiu morrer para salvar o resto de sua equipe. Filosoficamente, concorde você ou não com o Spock, a parte importante da lição é que Spock escolheu agir dessa maneira. Ele exerceu um poder de escolha.

http://softwarelivre.org/furusho/odf/fisl-mad-dog.jpg

 

Algumas vezes, desenvolvedores inadvertidamente não oferecem tantas escolhas para seus clientes quanto deveriam. Por exemplo, quando nós escolhemos não projetar e oferecer uma atualização limpa de uma nova versão de programa ou distribuição.

Há muitos anos atrás, eu ajudei a desenvolver uma nova “atualização” para o sistema operacional Ultrix, da DEC. Esse procedimento permitiu que os clientes simplesmente instalassem o sistema sem precisar:

  • Fazer boot do sistema a partir da fita no modo usuário único;
  • Editar o arquivo de configuração para o kernel;
  • Digitar todos os tipos de dados técnicos arcaicos sobre controladores de disco, controladores de linhas seriais etc.;
  • Reconstruir o kernel;
  • Instalar o kernel adequadamente;
  • Reiniciar o sistema.

Em vez disso, meu procedimento permitiu que o kernel com boot sondasse o bus do sistema usando um padrão DEC que o pessoal de hardware poderia seguir à medida que instalavam novos sistemas. Um engenheiro de kernel chegou a me dizer que isso era impossível para o Unix, mas eu fiz um protótipo da solução em menos de um dia.

Depois disso, um engenheiro desavisado disse que esse procedimento não iria dar certo, uma vez que os “loucos do Unix” ignoravam as técnicas de padrões DEC de instalação de hardware no bus, colocando os controladores de hardware “em qualquer lugar” no espaço do endereço do bus, negando o padrão digital.

Argumentei que, na maioria das vezes, o pessoal que instalava sistemas eram pessoas internas da DEC e que os engenheiros de campo colocavam, sim, os componentes no lugar certo. Assim, por que deveríamos puni-los somente para aliviar a dor dos poucos que não colocam as coisas no lugar certo? Pontuei também que a maioria dos sistemas existentes faziam dual boot com VMS (isso foi antes dos tempos do OpenVMS) ou eram sistemas VMS já executando Unix e, provavelmente, com os componentes de hardware já “no lugar certo”.

Para fazer com que os técnicos se sentissem melhor, nós mudamos meu protótipo de sondagem do bus, mostramos às pessoas responsáveis pela instalação do software quais controladores eram encontrados no processo e então, demos oportunidade ao instalador de mudar a configuração que fosse necessária antes de continuar com o processo. Eles ganharam a escolha.

Nós recebemos reviews extasiados com o novo recurso. 99,99% (ou um número mais alto) de clientes tinham o hardware dentro dos padrões, fossem eles DEC ou não DEC seguindo os mesmos padrões DEC. Os clientes também adoraram o fato de a instalação ser tão fácil.

Isso nos leva a outra questão. Atualmente, alguns distribuidores de Linux não trabalham muito duro nas atualizações de uma versão para outra. Parece que há pouco pensamento ou trabalho feito para permitir que os clientes atualizem seus sistemas adequadamente, principalmente por causa da percepção de que a maioria dos clientes mudam e personalizam seus sistemas Linux, causando medo de que a atualização sobrescreva as mudanças do cliente.

Para ser justo, a quantidade de personalizações realizadas por clientes no passado tenderia a eliminar o conceito de instalação “padrão”. Os envolvidos com Linux (ou Unix) tendem a mudar seu ambiente criando diferentes sistemas de arquivos, diferentes tamanhos de sistemas de arquivos, implementando diferentes aplicativos e armazenando coisas em diferentes lugares na hierarquia do sistema de arquivos. No entanto, eu sinto que a maioria dos clientes de hoje usam a distribuição mais ou menos como ela é, com menos personalização do que antes, então o objetivo deveria ser, em minha humilde opinião, permitir que consumidores atualizem continuamente os sistemas.

Ocorre que ao não planejar atualizações, uma distribuição pode estar punindo clientes que não mudam nada no sistema do Linux para proteger os poucos que o fazem. Nós deveríamos projetar e orquestrar as distribuições Linux para os 75% a 80% de pessoas que usam o sistema padrão, mas ainda permitir que o sistema seja modificado somente se este for o desejo do administrador. Se projetarmos uma distribuição para atualização, ela pode ser adaptada para efetuar somente as maiores mudanças e não uma reinstalação completa.

As pessoas que escolheram modificar os sistema fora dos limites da atualização projetada talvez precisem fazer uma reinstalação, mas eu acho melhor ter de 20 a 25% dos clientes tendo de reinstalar o sistema do que 100%.

Claro que, mesmo com um processo bem projetado, os backups ainda serão necessários antes da atualização. Talvez seja necessário, ainda, um teste de atualização. Mas se os técnicos tiverem milhares de sistemas para atualizar e se seguirem as diretrizes elaboradas pela distribuição, deveria ser mais fácil atualizar esses milhares de sistemas do que reinstalá-los.

Não puna muitos por conta de poucos. Projete e desenvolva atualizações que atendam a estes poucos.

Carpe Diem!

* fonte: Linux Magazine



Congresso Nacional: Dep. Manuela - RS (Relatora dos PLs), deu parecer pela aprovação dos PLs de Software Livre e Padrão Aberto de Documentos

12 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A Deputada Federal, do PC do B RS, Manuel D'Ávila tem sido um dos parlamentares no Congresso Nacional, que apoiam fortemente o Software Livre no Brasil e na Comissão CCTIC, na Câmara dos Deputados, como Relatora do Projeto de Lei 2299/1999, de autoria do Senador Walter Pinheiro - PT BA e vários outros PLs apensados, um deles o PL 3070, de autoria do Deputado Federal PT-SP, Paulo Teixeira, sobre Padrões Abertos de Documentos - ODF Open Document Format (Norma internacional (ISO/IEC 26300) e norma brasileira da ABNT (NBR ISO/IEC 26300).

http://softwarelivre.org/articles/0023/0252/15467.jpg?1279756791

http://www.claudiohumberto.com.br/OlalaCMS/uploads/midias/11.10.10-16.36.29-davila_3.jpg.jpeg

Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP) - 09/12/2011

  • Apresentação do Parecer do Relator n. 1 CTASP, pela Deputada Manuela D'ávila (PCdoB-RS). Inteiro teor (segue também abaixo)
  • Parecer da Relatora, Dep. Manuela D'ávila (PCdoB-RS), pela aprovação deste, dos PLs nºs 3.051/20, 4.275/01, 2.152/03, 3.280/04, e do 3.070/08, apensados, na forma do substitutivo apresentado na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Infomática (CCTCI) com emenda, e pela rejeição do PL nº 7.120/02, apensado, e da emenda apresentada na CCTCI . Inteiro teor (segue também abaixo)

Documentos Anexos e Referenciados

---------------------------------------------------/

 

Relatório da relatora

COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

 

PROJETO DE LEI Nº 2.269, DE 1999

(Apensados os Projetos de Lei nº 3.051/00, 4.275/01, 7.120/02, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08)

 

Dispõe sobre autilização de programas abertos pelos entes de direito público e de direito privado sob o controle acionário da administração pública.

Autor:DeputadoWALTERPINHEIRO

Relatora:DeputadaMANUELADÁVILA

I - RELATÓRIO

O presente projeto trata da adoção, por parte da administração pública e pelas empresas com controle acionário da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, de programas de computador livres, conhecidos como “software livre”.

O termo “software livre” refere-se a todo programa de computador cujo usuário tenha direito a instalar, copiar e modificar programa, tendo livre acesso ao seu código fonte. Código fonte é o conjunto de instruções em linguagem inteligível de programação de computadores, o qual, compilado ou processado, irá gerar o programa objeto, também conhecido por aplicativo, a ser executado no computador do usuário.

Ao texto principal foram apensados os Projetos de Lei nº 3.051/00 do Deputado Werner Wanderer, nº 4.275/01 do Deputado Luiz Bittencourt, nº 7.120/02 do Deputado Sérgio Miranda, nº 2.152/03 do Deputado Coronel Alves, nº 3.280/04 do Deputado Luiz Couto e nº 3.070/08 do Deputado Paulo Teixeira.

As proposições tratam a questão da definição do software livre de maneira semelhante. Apenas no projeto do Deputado Werner Wanderer aparece à criação de um órgão responsável pela certificação do programa de computador como sendo livre.

Todos os projetos preveem a possibilidade da não adoção dos programas de computador livres. No projeto principal é permitida a utilização do programa proprietário quando aquele não “contemple a contento a solução”. Em tal caso, deverá ser, preferencialmente, contratado o desenvolvimento do programa de computador ao invés da aquisição da licença do programa proprietário. Nos objetos dos Deputados Werner Wanderer e Luiz Bittencourt a adoção do programa de computador livre é condicionada a condições de técnica e preços estipulados em regulamentação.

O projeto do Deputado Coronel Alves dispõe sobre a previsão prévia das dispensas necessárias decorrentes da adoção do software livre. Esse dispositivo, apesar de admitir que em alguns casos a opção por programas de computador livres pode ser mais onerosa, garante que a questão orçamentária não seja um impedimento para a mudança.

O texto do Deputado Luiz Couto trata da adoção preferencial do software livre nas escolas públicas. Caso a opção seja pelo programa proprietário, o mesmo deverá ser preferencialmente multiplataforma. Um software multiplataforma é um programa de computador capaz de ser executado em mais de um tipo de sistema operacional. Cabendo à União a capacitação de instrutores nessa nova tecnologia.

O uso de software livre para prover facilidades e prestação de serviços públicos é abordado somente no projeto do Deputado Sérgio Miranda. O qual visa tornar obrigatória a oferta de software livres por parte do serviço público para plataformas livres, além da oferta nos sistemas proprietários usuais do mercado.

O projeto apresentado pelo Deputado Paulo Teixeira trata de assunto correlato, qual seja a utilização de formatos abertos para os documentos da Administração Pública, determinando que todos os documentos digitais sejam compatíveis com o formato aberto de documentos ODF, sigla oriunda do inglês Open Document Format.

Decorrido o prazo regimental, foi apresentada na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática a Emenda nº 1/00 ao Projeto de Lei nº 2.269/99, oferecida pelo Deputado Babá, dispondo sobre a preferencia à contratação de serviços de desenvolvimento de programas de computador livres, quando houver apenas disponibilidades de programas proprietários.

Foi apresentado pela Deputada Luiza Erundina, relatora do presente projeto na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática um substitutivo dispondo sobre a preferência à utilização de programas de computador livres pela Administração Pública.

O substitutivo apresentado pela Deputada Erundina também elege a utilização preferencial de ferramentas livres por parte da Administração, entretanto, estabelece a obrigatoriedade de justificação prévia ao processo licitatório por parte do ente licitante, da inexistência ou inadequação de soluções técnicas livres que atendam sua necessidade.

Os pleitos tramitam em conformidade com o inciso II do art. 24 do Regimento Interno desta Casa e foram distribuídos à Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, à Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público e à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Tendo recebido, na primeira comissão de mérito parecer pela aprovação os Projetos de Lei nº 2.269/99, 3.051/00, 4.275/01, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08 nos termos do substitutivo apresentado pela relatora Deputada Luiza Erundina, e pela rejeição do Projeto de Lei nº 7.120/02 e da emenda nº 1/00.

Decorrido o prazo regimental nesta comissão, não foram apresentadas emendas ao Projeto de Lei nº 2.269/99.

II – VOTO DA RELATORA

Três são os objetivos perseguidos pela adoção do software livre: o aumento da competitividade da indústria nacional de software, o oferecimento de capacitação para trabalhadores do setor e a diminuição do gasto público com o licenciamento de programas de computador. Com escopo, pretende-se com os projetos em tramitação orientar a Administração a adotar, preferencialmente os programas de computador livres, dado o dispêndio que o Estado, em todos os seus níveis, tem anualmente com o pagamento de aluguel de licenças de programas proprietários estimado em dois bilhões de dólares.

Todavia, conforme já explicitado pela Deputada Luiza Erundina, relatora do projeto na CCTIC, em determinadas situações, a adoção obrigatória de programas de computador livres revela-se inoportuna nos casos em que as necessidades da organização não se compatibilizam com os mesmos. Assim, a escolha dos projetos de lei pelo termo “preferencialmente” no que tange a utilização de iniciativas livres demonstra-se acertada.

Também a deputada Luiza Erundina acerta, ao nosso entender, na medida em que estabelece a exigência de justificativa prévia ao processo licitatório por parte do ente licitante, nos casos de inexistência ou inadequação de soluções técnicas livres que atendam sua necessidade.

Em relação à obrigatoriedade de uso e distribuição de programas de computador para sistemas operacionais livres pela Administração, prevista no Projeto de Lei nº 7.120/02, corroboramos com o entendimento adotado pela relatora Deputada Luiza Erundina na CCTCI, de que o referido projeto extrapola o processo de compras governamentais priorizado pelos demais projetos em exame, rejeitando assim a proposta.

Também entendemos que a Lei não deve incluir parâmetros tecnológicos de modo tão específico, conforme sugerido pela ODF, cabendo seu detalhamento a futura regulamentação. Assim, acatamos o substitutivo aprovado na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, por aquele demonstrar-se flexível para recepcionar a adoção de formatos abertos de maior disseminação ou mais apropriados para determinadas aplicações.

Entretanto, entendemos que também o substitutivo merece uma emenda que garanta o aperfeiçoamento da Lei no sentido de ampliar o acesso dos cidadãos aos serviços públicos prestados por meio eletrônico. Assim sugerimos que os órgãos devam utilizar padrões abertos e estar disponíveis a qualquer cidadão sem que o mesmo esteja obrigado a usar software de um determinado fornecedor.

Assim sendo, nosso VOTO é pela REJEIÇÃO do Projeto de Lei nº 7.120/02 e da emenda nº 1/00 e pela APROVAÇÃO dos Projetos de Lei nº 2.269/99, 3.051/00, 4.275/01, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08, na forma do substitutivo apresentado na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, e pela aprovação da emenda aditiva e redação apresentada a seguir:

EMENDA Nº - CTASP (SUBSTITUTIVO)

PROJETO DE LEI Nº 2.269, DE 1999.

(Apensados os Projetos de Lei nº 3.051/00, 4.275/01, 7.120/02, 2.152/03, 3.280/04 e 3.070/08)

Dispõe sobre a utilização de programas abertos pelos entes de direito público e de direito privado sob o controle acionário da administração pública.

Acrescente-se o seguinte Artigo 3° e, por conseguinte, altere-se a ementa do PL n° 2.269 de 1999, o artigo 1° e renumere-se o artigo 3° para artigo 4°:

Emenda aditiva:

“Art. 3º Os serviços públicos prestados através de meios eletrônicos devem utilizar padrões abertos e estar disponíveis a qualquer cidadão para completo acesso através de pelo menos um software livre, permitindo que o mesmo não esteja obrigado a usar software de um determinado fornecedor.”

Emenda de redação:

“Dispõe sobre a preferência à utilização de programas de computador livres pela Administração Pública e disciplina a prestação de serviço público por meio eletrônico.”

..........................................................................................................

“Artigo 1° Esta Lei estabelece normas gerais para a compra de programas de computador no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e disciplina a prestação de serviços públicos através do meio eletrônico.”

..........................................................................................................

“Art. 4º Esta lei entra em vigor depois de decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação oficial.

 

Sala das Comissões, em ___ de __________ de ____.

Deputada MANUELA D'ÁVILA
Relatora

* fonte: Câmara dos Deputados



Relato I Fórum da Revista Espírito Livre

9 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

No dia 29 de Novembro de 2011 ocorreu o I Fórum da Revista Espírito Livre em Vitória – ES, tenho alegria do evento tenha sido realizado no estado do Espírito Santo. Parabéns aos organizadores!

O evento ocorreu o dia inteiro começando às 08:00h na Faesa – Campus I, terminando às 21:30h. O local escolhido foi muito bom, faculdade localiza numa das avenidas principais da capital. Quem chega de ônibus salta em frente, aos que vem de carro podem colocar na garagem dentro da mesma.

Não tive a oportunidade da participação integral no evento devido ao trabalho, apenas por duas horas na parte da tarde, e depois das 18 horas até o final. O período vespertino, a qual participei, muitos curiosos, profissionais e aventureiros, compareceram em quantidade a Geração do Software Livre, muito estudantes das escolas de vitória e cursos técnicos. Parabenizo os diretores e professores pela iniciativa de levar seus alunos ao fórum.

Após às 18 horas tivemos também um clico de palestras diversificado de temas como: Open Source na maioridade. O que aprendemos e o que nos espera daqui para a frente? por Cezar Taurion, Política de Tecnologia Educacional na Secretaria Municipal de Educação de Vila Velha por Wanessa Zavarese Sechim, Olhos para o futuro: a TDF e o LibreOffice Online por Gustavo Pacheco, Perícia Computacional Forense por Gilberto Sudré, Itaipu Binacional – Porque apoiar o uso de Software Livre e as Comunidades por Marcos Siríaco Martins e o Paizão Julio Neves.

A palestra do Cezar Taurion assisti vinte minutos apenas, abordou o tema com bastante firmeza e conhecimento sobre o assunto tratado, esclarecendo bastante sobre o futuro do Open Source. A Wanessa Sechim abordou o tema sobre a tecnologia implantada e alguns projetos de Software Livre nas escolas, é necessário a governança do dinheiro sendo bem aplicado para o âmbito do Software Livre e Linux em soluções e treinamentos, para todo município e estado. Gustavo Pacheco falou sobre a TDF e o LibreOffice online, além de falar do assunto e futuro que nos espera. Colocou em prática uma demostração do LibreOffice online em sua máquina local, falta alguns bugs a serem acertados, melhorias para que tudo fique redondo. Se você é desenvolvedor, programador (e iniciante no assunto) e possui interesse em contribui tem uma excelente oportunidade.

O Gilberto Sudré palestrando sobre Perícia Forense, os crimes e atos que podem levar a prisão do usuário com uso indevido da rede. Dificuldades encontradas para uma investigação rígidas, as falhas dos usuários, redes wireless, segurança e os concelhos. O paizão Julio Neves, veríamos a abordagem da palestra CISL e Software Livre no Governo, porque no futuro do pretérito, ele fez um tema aberto, falou de casos de sucesso, sua vida, empresas, em torno do Software Livre e o Linux, o crescimento, pontos totalmente positivos. Como tivemos um público bastante jovem, a geração do Software Livre no Brasil e principalmente em nosso estado, foi mas proveitoso para todos a forma abordada.

Em resumo do I Fórum da Revista Espírito Livre, parabenizo todos da organização, apoio e realização, a correria, estresse e cansaço faz parte para que o evento tenha sido ótimo. Espero o fórum em várias partes do brasil e internacional. Mais um evento que vai repercutir e trazer resultados.

Fotos no Google Plus (G+).

por Albino Biasutti Neto

* fonte: blog de Albino Biasutti Neto



Começou hoje, dia 09, o IV Encontro Comunicação Digital – ECD

9 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

IV Encontro Comunicação Digital – ECD será realizado nos dias 09 e 10 de dezembro no campus do IFPB em João Pessoa-PB.

http://aeciopires.com/ecd2010/templates/ja_purity/images/header/header1.jpg

As inscrições estão abertas e podem ser feitas gratuitamente no site http://comunicacaodigital.info. Leve 1 Kg de alimento não perecível (exceto sal) para fazer o credenciamento.

A programação do evento já está disponível no site e haverá a apresentação de palestras sobre Zabbix, OWASP, segurança em aplicações Web com PHP, SCRUM, Plone, Varnish, TDD, mobilidade, monitoramento de redes elétricas utilizando redes sem fio, virtualização, cloud computing, A3TV, arduino, desenvolvimento de aplicações para redes sociais e muito mais.

Para obter mais informações:

http://comunicacaodigital.info



Governo Gaúcho estimula a participação cidadã pela web em iniciativa inédita no Brasil

9 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Nova ferramenta do Gabinete Digital, Governador Pergunta,

coletou propostas junto a população para melhorar a saúde pública

O governador perguntou “Como podemos melhorar o atendimento na saúde pública?”, a população respondeu enviando propostas através do site e votou em suas preferidas. Agora, os autores das 50 sugestões mais votadas terão um encontro com o governador Tarso Genro no dia 14 de dezembro, no Palácio Piratini, para discutir suas ideias, com transmissão ao vivo pela internet. Até o momento, mais de 30 mil pessoas participaram do processo que receberá votos até o dia 10 de dezembro pelo site www.gabinetedigital.rs.gov.br

O Governador Pergunta é resultado de estudos e análises de experiências internacionais feitas pela equipe do Gabinete Digital para criar uma ferramenta capaz de coletar, junto a população, informação e subsídios sobre temas de grande impacto para a sociedade. Segundo o chefe de gabinete do governador e coordenador do Gabinete Digital, Vinícius Wu, o objetivo é integrar o cidadão na formulação e aprimoramento das políticas públicas. Todo o processo da ferramenta foi dividido em quatro etapas. No primeiro momento o governador lançou o questionamento à população em evento público, com transmissão pela internet, e com a presença do secretário Estadual de Saúde, dando início à fase de recebimento de contribuições.

Durante 22 dias, de 9 à 30 de novembro, o Governador Pergunta recolheu 1,3 mil propostas e sugestões em cinco temas: Saúde da Família, Cuidado Integral, Urgência e Emergência, Acesso a Medicamentos e Saúde na sua Região. Qualquer cidadão pode enviar sua contribuição baseada em experiências e opiniões próprias. “Buscamos trazer para decisões de gestão, a opinião das pessoas que vivem diariamente as precariedades e grandezas do Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirmou o Governador.

Na terceira etapa aconteceu a votação pelo site que culminará no encontro do governador e do secretário com os autores das 50 propostas mais votadas. Para a votação foi criado um sistema inspirado na experiência do projeto norte-americano All Our Ideas (www.allourideas.org), desenvolvido na Universidade de Princeton e já utilizado em Nova Iorque, nos EUA, e Calgary, no Canadá. O objetivo é que os participantes se sintam no papel de gestores da saúde, onde necessitam escolher entre as ações mais urgentes e prioritárias para a saúde pública no Rio Grande do Sul. A metodologia usada privilegia a decisão por prioridades a partir de propostas apresentadas por pares gerados aleatoriamente. Uma das vantagens desta metodologia é evitar desvios por ação de grupos de interesse,  capturando a média da opinião pública.

Engajamento da população
Para fomentar o interesse da população pelo projeto, inúmeras ações de mobilização foram colocadas em prática em parceria com as diversas secretarias de governo, incluindo palestras, visitas a órgãos públicos, reuniões com associações de municípios e contato com agentes comunitários de saúde.

“Nosso desafio, além de divulgar a ferramenta, foi sensibilizar as pessoas para uma possibilidade real de participação nas decisões de governo”, afirmou Fabrício Solagna, coordenador executivo do Gabinete Digital. Com esse objetivo, uma equipe percorreu as principais regiões do interior do Rio Grande do Sul, visitando 12 municípios.

Acreditando que o acesso às ferramentas do Gabinete Digital passa necessariamente pela inclusão digital, foram instalados computadores em sete espaços públicos da capital e sete Telecentros no interior do Estado. Além disso, uma van equipada com computadores percorreu bairros de Porto Alegre e região metropolitana atingindo um público estimado de 30 mil pessoas.

Saúde como tema
A saúde, tema escolhido para a primeira edição do Governador Pergunta, está entre os temas prioritários do Estado e tem destaque por ser aquele de maior interesse entre os gaúchos. A saúde liderou a escolha de 26 dos 28 Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) e foi um dos temas preferidos na Votação de Prioridades para o Orçamento estadual de 2012.

Gabinete Digital
A criação do Gabinete Digital se baseou em modelos de democracia no mundo digital de países como Alemanha e Estados Unidos, reunindo as melhores práticas e criando um conjunto único de mecanismos para a participação. Desde seu lançamento em maio de 2011, já recebeu dois prêmios nacionais, da Revista A Rede, na categoria Inovação na Gestão Pública, e o prêmio E-gov, de excelência em governo eletrônico, concedido pela Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (ABEP). O Gabinete Digital é ligado diretamente ao Gabinete do Governador e as experiências de participação online colocadas em prática já despertaram o interesse de governos estaduais, prefeituras e até mesmo, do governo federal, que estuda a possibilidade de aplicação do modelo na esfera federal.

Ao todo são quatro ferramentas de participação disponíveis no site.

Para saber mais acesse: http://www.gabinetedigital.rs.gov.br/

* fonte: Espírito Livre



Sorteio para o evento VII Fórum Paraense de Software Livre

9 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A organização do VII Fórum Paraense de Software Livre em parceria com a Revista Espírito Livre estará sorteando inscrições para o evento. Basta preencher este formulário e torcer.

Está confirmado para Belém o VII Fórum Paraense de Software Livre. O evento será realizado nos dias 12 e 13 de dezembro no auditório do IESAM em Belém/PA.

Como sempre, a programação será bastante diversificada, com apresentação de casos de uso de vários sistemas livres, além de mini-cursos e a aplicação de provas de Certificação LPI.

Mais informações no site do evento: http://www.linuxpaidegua.com

twitter: @fpsl2011

e-mail fpsl@jambu.com.br

Realização:
JAMBUTEC – Jambu Tecnologia – www.jambu.com.br;
SBGC – Sociedade Brasileira de Gestão do conhecimento;
AUSLA – Associação dos Usuarios de Sistemas Livres e Abertos;
IESAM – Instituto de Ensino Superior da Amazonia.



Lançada edição n.32 da Revista Espírito Livre!

9 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Maturidade. Esta palavra nos diz muito, ainda mais quando associada a algo que faz parte do dia a dia de muitos de nós: o software livre e considerando o tema de capa desta edição, o kernel Linux.

Neste ano, o Linux completa 20 anos de existência e muitos ainda acreditam que ele não está maduro ou pronto para fazer frente aos outros sistemas operacionais que encontramos no mercado atualmente.

A liberdade do software livre nos permitiu chegar até onde o kernel Linux chegou e é justamente esta liberdade que fazem muitos sonharem com muito mais. Que caminhos que este já adulto, sistema operacional, irá trilhar, ainda é desconhecido, e talvez seja até melhor assim.

Revista Espírito Livre - Ed. #032 - Novembro 2011

Revista Espírito Livre - Ed. #032 - Novembro 2011

Revista Espírito Livre - Ed. n #032 - Novembro 2011
Revista Espírito Livre - Ed. n #032 - Novembro 2011

O que vejo e que muitos dos usuários do sistema do pinguim se deparam a cada novo release, são melhorias, correções de bugs, novas implementações, suporte a novas tecnologias, entre outros. Tais detalhes normalmente passam desapercebidos para muitos leigos, que “só querem ver o sistema funcionando”. Engana-se porém, aqueles que acham que isto é tarefa fácil. Aliás, se fosse fácil muito provavelmente teríamos muitos outros excelentes exemplares por aí, criados do zero.

E para compartilhar conosco suas experiências, conversamos com o pai da criança”: Linus Torvalds, que recentemente esteve na LinuxCon 2011 Brazil, em São Paulo. Torvalds, que no ano passado já havia sido entrevista por nós, com um ar bastante descontraído, respondeu a perguntas que normalmente não lhe são feitas, sobre seus hobbies, cotidiano e muito mais.

Vale a pena conferir, já que grande parte das conversas com ele se resumem a questões técnicas e ligadas a código. Fomos em uma direção diferente.

Bill Bordallo aborda o WordPress, uma solução completa para produção de sites e blogs, inclusive utilizada por nós, no site da Revista Espírito Livre. Caio Ribeiro Pereira, com bastante didática, apresenta aos leitores, dicas para estagiários, estes importantes profissionais que estão por toda a parte, nas empresas.

Gilberto Sudré, questiona em seu texto, até que ponto o sistema operacional é importante, considerando tudo que temos hoje e principalmente seu uso por nós, usuários. Vários outros colaboradores também enviaram suas contribuições, e a todos estes, o nosso muito obrigado.

Vale ressaltar ainda que no último dia 29 de novembro, tivemos em Vitória/ES, a primeira edição do Fórum da Revista Espírito Livre. Digo a primeira edição pois está em nossos planos levar o evento para outras cidades e já estão sendo estudadas alternativas para 2012.

Então, se tem interesse em levar o evento para sua cidade, entre em contato! Um dos objetivos do evento é justamente este: aproximar leitores dos redatores e colaboradores da Revista Espírito Livre.

E continuamos por aqui, com a proposta de criar algo de qualidade para você, leitor.

http://farm7.static.flickr.com/6011/6019700396_7bbcc11c01_m.jpg

 

 

Um forte abraço e nos vemos por aí.

 

 * fonte: Revista Espírito Livre



MariaDB - o futuro do MySQL para a Comunidade & Empresas

8 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

MariaDB é um servidor de banco de dados que oferece drop-in funcionalidade de reposição para MySQL. MariaDB é construído por alguns dos autores originais do MySQL, com a ajuda da mais ampla comunidade de desenvolvedores de software livre e open source. Além da funcionalidade básica do MySQL, MariaDB oferece um rico conjunto de aprimoramentos de recursos, incluindo mecanismos de armazenamento alternativo, otimizações de servidores e patches.

http://openlife.cc/system/files/MySQL%20forks%20-%20MariaDB_0.png

MariaDB é impulsionada principalmente pelos desenvolvedores de Monty Program , uma empresa fundada por Michael "Monty" Widenius, o autor original do MySQL, mas isso não é toda a história sobre MariaDB. No " Sobre MariaDB "página você encontrará mais informações sobre todos os participantes na comunidade MariaDB, incluindo mecanismos de armazenamento e XtraDB PBXT.

Obrigado pelo seu interesse em MariaDB. Estamos ansiosos para fornecê-lo com um produto e projeto que se adapte às suas necessidades, seja em uma implantação do blog passatempo ou um datacenter de nível empresarial!

* fonte: MariaDB



Mais um apoiador do LibreOffice. a Monty

8 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

"Estamos muito animado sobre o projeto LibreOffice" , diz Monty, fundador e criador do MySQL e MariaDB. 

http://andregondim.eti.br/wp-content/uploads/2010/08/Libre-office.png

https://knielsen-hq.org/maria/mariadb-logo.png

"Para fazer a nossa parte com para o projeto estamos empenhados em integrar e prover um excelente suporte para MariaDB, (o sucessor do MySQL a partir do mesmo pessoas que criaram MySQL) para LibreOffice. 

Isto inclui, entre outras coisas, uma nova motoristas LGPL C para conectar-se MariaDB ou MySQL e fornecer correção de bugs para qualquer bug em MariaDB que afeta seriamente LibreOffice ". 

* fonte: http://www.documentfoundation.org/supporters/ # monty 

Site de MariaDB: MariaDB.org

Site de MySQL: MySQL



Tags deste artigo: firefox