Ir para o conteúdo
 

Blog RSS feed

ou

 Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Noosfero contribuindo para interligar a cultura no Brasil

18 de Fevereiro de 2011, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2196 vezes

Noosferoterceirocpbr403 No final de 2005, agentes culturais das cidades de Cuiabá (MT), Rio Branco (AC), Uberlândia (MG) e Londrina (PR) tinham um objetivo: estimular a circulação de bandas pelas várias regiões do país. O intercâmbio de tecnologia de produção e o escoamento de produtos nessa rota era batizada de “Circuito Fora do Eixo” (CFE) e encontrava pela frente produtores e públicos vorazes pela novidade. Hoje o CFE está em 25 das 27 unidades federativas do Brasil, reunindo mais de uma centena de coletivos culturais.

Mas como ligar esses produtores culturais espalhados pelo nosso país? Eis que o CFE, em parceria com a Colivre, lançava em 2010 a rede social do Circuito Fora do Eixo, usando a plataforma livre Noosfero!

Um ano depois, a Colivre divide a alegria de contribuir para interligar a cultura no Brasil.

Segundo Pablo Capilé, do Espaço Cubo a rede social funciona porque os coletivos do CFE disponibilizam toda sua tecnologia lá. “Agente percebeu que não adiantava lançar uma rede social se não tivesse um mote muito forte para que as pessoas migrassem de outras redes, que existem, para a nossa rede. Aí nós percebemos que toda nossa tecnologia tinha que ser disponibilizado lá”, avalia Capilé.

Com a disponibilização dos projetos, planilhas, resultado das reuniões, vídeos, atas e inúmeros blogs de indivíduos e coletivos, o uso da rede social do CFE está se consolidando como essencial para o processo de democratização da cultura no Brasil. “Nossa rede social é um grande resumão de tudo que agente faz e é o que consegue com mais velocidade nos traduzir. A maioria dos blogs de coletivos do Brasil está migrando para a rede social. Assim conseguimos estar lá na ponta, diagnosticando e trazendo para a rede social. Ao mesmo tempo a união dessas pontas todas são viabilizados pela rede social. Sem contar que é um local onde conseguimos trazer o de fora, que não é orgânico, para nos conhecer de forma mais fácil, criando seu perfil. Na rede social agente amplia o leque de participação e horizontaliza mais se aproximando desse rizoma que é o que acreditamos ser o circuito fora do eixo”, afirma Pablo Capilé

Então, produtores, coletivos culturais e interessados no tema; uni-vos! Faça o seu perfil na rede social CFE e contribua com o projeto.

O software livre, a cultura livre e a economia solidária agradecem ;)


Tags deste artigo: circuito fora do eixo software livre economia solidária noosfero cultura

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.